ANO NOVO 2018: Mensagem do Camarada Presidente João Lourenço
ANO NOVO 2018: Mensagem do Camarada Presidente João Lourenço

Discurso pronunciado (28.12.17) no Palácio Presidencial, em Luanda

 

“Povo angolano,

Caros compatriotas,

Passaram-se, exactamente, três meses desde a minha investidura como Presidente de todos os angolanos, período curto durante o qual procuramos por palavras e por actos dar um sinal claro, em primeiro lugar aos governantes, ao povo angolano, aos empresários e à comunidade internacional, do rumo que pretendemos seguir, que não rompe com o passado, mas que procura se despir de tudo aquilo que não é bom para a nossa sociedade, para o nosso País.

A resposta que temos recebido e sentido da parte do povo, quer directamente quer através dos mais variados meios informativos, parece demonstrar que a grande expectativa criada à volta deste Executivo continua a alimentar a esperança, há muito esperada, do surgimento de uma verdadeira renovação de mentalidades e de comportamentos, no seio da nossa sociedade.

Temos procurado materializar e pôr em prática o Programa de Governo, que mereceu a aprovação e adesão da grande maioria dos eleitores do País. Vamos prosseguir nesta senda, sabendo que é do apoio de todos, sem discriminação, que depende o êxito do nosso trabalho.

Apostamos nos jovens e numa maior representatividade feminina no Executivo e em outros órgãos do poder, sobretudo no judicial. Estamos seguros que os responsáveis nomeados saberão honrar a confiança neles depositada, procurando, com o seu trabalho e dedicação, ir ao encontro das grandes expectativas criadas.

Precisamos de dar passos decisivos para moralizar a nossa sociedade com o nosso exemplo, valorizando os bons comportamentos, atitudes e práticas, combatendo aqueles actos que, em desafio e violação das leis existentes, tantos males causam à nossa comunidade e ao bem comum.

Aproveitemos esta data festiva e de convívio familiar para interiorizarmos os valores de irmandade e solidariedade que ela encerra e fazermos uma profunda reflexão sobre os novos rumos que pretendemos para o nosso País.

Não podemos esperar que haja mudanças, se continuarmos a trilhar os mesmos caminhos e não formos nós os primeiros a mudar o nosso comportamento e as nossas próprias vidas.

Também ao nível da governação, essas mudanças se impõem. A proposta de Orçamento Geral do Estado para o próximo ano já prevê acções viradas para a reforma e modernização do Estado, para o reforço da cidadania e para a instauração de uma sociedade cada vez mais participativa.

O OGE dedica, também, uma parte considerável dos recursos disponíveis à expansão do capital humano, à redução das desigualdades, à criação de emprego qualificado e bem remunerado, à redução das assimetrias regionais e à diversificação da economia.

Continuaremos a zelar pela estrita aplicação do que vem consagrado na nossa Constituição, a que devo a máxima obediência. O nosso combate pela legalidade e pelo fim da impunidade de quem a desrespeita será um combate de todas as horas.

Caros compatriotas,

Ainda estamos a viver sob os efeitos da crise económica e financeira que nestes últimos anos se generalizou um pouco por toda a parte. Porque vivemos num Mundo cada vez mais globalizado, Angola não podia ter escapado às suas consequências.

A crise só não foi mais grave, porque, em tempo oportuno, foram tomadas medidas pertinentes para reduzir o seu impacto, numa demonstração de que, fazendo-se uma leitura correcta da realidade e assumindo colectivamente os sacrifícios necessários, todos os obstáculos são superáveis.

Precisamos de dar, com alguma coragem e determinação, novos passos em frente, vencendo os constrangimentos ainda existentes e encarando, com realismo, os novos desafios, de modo a diversificarmos, decisivamente, a nossa economia e atingirmos o desenvolvimento sustentável, com inclusão económica e social.

Trabalhamos, decididamente, na criação do ambiente adequado ao aumento da produção interna de bens e de serviços, apostando no investimento privado nacional e estrangeiro.

Pelos sinais que recebemos ultimamente, já é visível a mudança da imagem de Angola perante o Mundo, sobretudo perante os fazedores de opinião, os media internacionais, os homens de negócios ávidos em investir no nosso País, em praticamente todos os ramos da nossa economia.

Vamos trabalhar para não deixar morrer esta esperança que se abre, de maior integração da nossa economia na economia mundial, fazendo de Angola um destino privilegiado do investimento privado estrangeiro. Trabalhar para que todos os caminhos venham dar a Angola é o nosso desafio.

Isso é bom, porque se abrem perspectivas reais de diversificação da nossa economia, de aumento dos produtos de exportação, de aumento da oferta de emprego para os nacionais e para a juventude, em particular.

Estarei sempre disponível, durante o meu mandato, para manter uma atitude de abertura e diálogo com toda a sociedade, em relação aos problemas da Nação, assim como para prevenir e combater quaisquer condutas que impeçam os cidadãos de usufruírem dos direitos que a Constituição lhes confere.

Todos os anos, nesta data, acreditamos e temos tendência em desejar que o novo ano traga prosperidade e melhores dias para todos. Desta vez, vamos nos empenhar, seriamente, para que esse desejo deixe de ser uma ilusão e se torne numa realidade.

Estamos optimistas que 2018 será um ano melhor para o País, para as empresas, mas sobretudo para as famílias e para os cidadãos, em geral.

Desejo, por isso, a todo o povo angolano, aos jovens, à mulher batalhadora, aos incansáveis trabalhadores, aos que se encontram acamados no leito dos hospitais, aos militares e policiais que garantem a paz e a tranquilidade nesta quadra festiva, um Ano Novo muito feliz e pleno de prosperidades!”.

PortalMPLA/Sede Nacional do Partido 

 

 

Todos os discursos
Próximo discurso
Imprensa
Redes Sociais
Facebook
Youtube